Infecções em Tatuagens por bactéria nos E.U.A.

Uma reportagem publicada no portal G1, na página do programa Bem Estar, fala de uma revista científica que atribui a causa de uma onda de infecções na pele a uma tinta para tatuagens. (Veja a matéria aqui)

Porém, não consegui encontrar a pesquisa mencionada por eles para saber qual é o grau de conhecimento dos cientistas a respeito do processo. Pessoalmente, achei bastante antiético por parte do Bem Estar culpar a tinta para tatuagem logo na chamada para o artigo – contribuindo, mais uma vez, para aumentar o preconceito contra a arte.

Apenas no fim do texto há uma menção à suspeita de ser a verdadeira causadora da infecção: a água de torneira! E uma das primeiras coisas que deve ficar bem clara é que o processo de diluição da tinta não diz respeito aos fabricantes. Diluí-la costuma ser uma escolha do tatuador.Os tatuadores podem encontrar, no mercado, diversas intensidades de tons de preto disponíveis. Mas, para criar um efeito de sombra como o das tatuagens realistas, não se usa uma tinta cinza ou uma “tinta sombreada pronta”, digamos. A tinta preta deve ser diluída, para que se possa aplicá-la em camadas. Quanto mais escura a sombra, mais camadas são aplicadas – e, sim, mais dor a pessoa vai sentir.O problema das infecções é causado pela Mycobacterium chelonae(obviamente, existem outras bactérias que podem causar reações, mas o caso em específico mostrado nas fotografias envolvem esta), que está presente na água de torneira.Algumas das infecções têm apresentado melhora com tratamento por antibióticos, mas, nos casos mais graves, é necessária até mesmo a remoção da pele atingida!
 
O fato é: basta qualquer um dos materiais envolvidos na tatuagem entrar em contato com a água de torneira para estar contaminado. E, não se assuste, é muito comum que a tinta aplicada seja diluída na água de torneira ou filtro de água – diga-se de passagem, nunca vi um estúdio que usasse soro fisiológico ou água boricada para diluir a tinta, o que seria o mais indicado. O motivo? Isso gera mais gastos.

E no caso de países como os Estados Unidos e outros da Europa, o uso da água de torneira seria ainda menos questionado que no Brasil, pois é uma água tratada e própria para consumo direto, diferente do constatado em grande parte dos estados brasileiros.

Quanto à pré-diluição da tinta pelo próprio fabricante, acredito que a melhor solução tenha sido a encontrada aqui no Brasil: exigir que a tinta passe por uma avaliação prévia da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Além disso, também já não são permitidas agulhas soldadas no estúdio. Elas devem ser compradas já esterilizadas e todas as suas partes devem ser descartadas. (O que acontecia antes era o reaproveitamento da haste, descartando apenas as agulhas.)

Infelizmente, boa parte do processo de assepsia de um estúdio é desconhecida pelos clientes. Isso acontece mesmo naqueles estabelecimentos já antigos e altamente respeitados! Ao ver o material pronto para ser utilizado, o cliente não sabe se as condições de limpeza foram totalmente adequadas, e isto já começa pela própria regulagem das autoclaves e estufas. Às vezes, mesmo o profissional qualificado desconhece que, por exemplo, estufas pequenas não chegam a uma temperatura alta o suficiente para matar todos os microrganismos, ou que abri-las durante o período de esterilização – sete horas (sim, nada menos que sete horas!) – atrapalhará o processo. Daí se recomenda que todos façam também um curso específico de esterilização ou, preferencialmente, de instrumentação cirúrgica!

Minha dica para quem deseja fazer um piercing ou uma tatuagem é a seguinte: certifique-se de que TODOS, absolutamente TODOS os instrumentos estejam lacrados, e que os pacotes sejam abertos NA SUA FRENTE. Se o estúdio usa uma estufa no lugar de uma autoclave, RISQUE-O DA SUA LISTA, a não ser que o profissional tenha um certificado de algum curso que o torne apto a manusear estufas e instrumentos que necessitam esterilização.

Se o tatuador colocar um pote de líquido sem cor junto com as tintas, pergunte-o se é água. Se for, solicite-o que use, no mínimo, soro fisiológico no lugar (antes de ir à sessão, compre uma garrafa lacrada e leve você mesmo!).

A sua saúde é importante demais para correr riscos!

Fonte: ModBlog

Contato

SCLN 105 bloco "B" loja 45 - Asa Norte - Brasília - DF

E-mail: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Telefones: (61) 8401-4349 | 9179-4334
(Marcelo Calil)